Armadilhas das redes sociais

A facilidade e a agilidade com que podemos nos expressar e obter informações por meio das redes sociais é, sem dúvida nenhuma, um fator extraordinário na esfera da Comunicação, nos dias atuais. Uma notícia pode se espalhar pela cidade, o Estado, o país e o mundo em questão de segundos. Isso é uma maravilha! Mas, também pode ser uma armadilha traiçoeira. Portanto, precisamos agir com cautela e avaliar melhor cada informação que nos chega pelas redes sociais.
Dois fatos recentes que nos servem de exemplo são os episódios envolvendo a Justiça Eleitoral e a situação trágica do investigador da Polícia Civil, Sidney Ribeiro dos Santos, alvejado por um tiro no rosto durante os trabalhos para resgatar a empresária Milene Falcão Eubank que foi sequestrada na semana passada, na capital do Estado.
A Justiça Eleitoral foi vítima de uma notícia falsa difundida em mensagens de áudio e texto no watsApp e demais mídias sociais, de que os eleitores que deixarem de comparecer para a biometria até o dia 7 de dezembro vão ser multados em R$ 150,00. O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso – TRE/MT precisou emitir nota à imprensa para desmentir a falsa informação e tranquilizar a sociedade.
No caso do investigador Sidney Ribeiro, algum espertalhão que certamente está interessado em levar vantagem encima da tragédia envolveu o nome da empresária vítima de sequestro, Milene Eubank, numa falsa campanha pela internet de arrecadação de recursos para ajudar o policial. A campanha usando o nome do policial chegou a arrecadar R$ 9.450 mil. E a empresária que teve o nome envolvido precisou registrar boletim de ocorrência na Polícia Civil. E a polícia também recorreu à imprensa para alertar que a campanha era falsa.
Diante desses fatos, vale lembrar à população que o meio de Comunicação mais confiável continua sendo aquele oferecido pelos órgãos de imprensa tradicionais e comprometidos com a ética, a seriedade e o dever de informar bem o cidadão, onde, orgulhosamente incluímos o Jornal A TRIBUNA.

1 comentário

  1. Amigos de A Tribuna, há uma discussão em nível mundial sobre a CRIMINALIZAÇÃO da indústria dos FAKES (boatos mentirosos, caluniadores e perigosos)nas redes de computadores.
    Pessoalmente sou 100% favorável a punição daqueles que espalham notícias falsas, como a que vimos nas últimas eleições presidenciais por aqui. Inclusive com financiamento público.
    Parabéns pela oportunidade do editorial.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia