17 ANOS DE PRISÃO
Acusado de matar mulher com martelo é condenado

Flávio Silva Santos foi a julgamento acusado de tirar a vida da amásia usando como arma para cometer o crime um martelo – Foto: Roberto Nunes/A TRIBUNA

O réu Flávio Silva Santos, 35 anos, foi condenado ontem (23), a 17 anos de prisão em regime fechado, em julgamento ocorrido no Tribunal do Júri. Ele é acusado de assassinar Ana Lúcia de Oliveira, 31 anos, no dia 14 de agosto de 2016. O réu era amasiado com a vítima e residiam na Vila Mamed. O crime teria motivação passional. O julgamento de ontem foi presidido pelo juiz da 1ª Vara Criminal, Wladymir Perri.
Segundo a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), na data do crime, a mulher foi assassinada com golpes de martelo na cabeça. O corpo da vítima foi localizado por policiais militares na casa onde vivia com o suspeito.
Após o crime, Flávio Silva foi preso em flagrante no local. Segundo a PM, a vítima foi encontrada com um saco plástico amarrado na cabeça. No crânio, havia diversas marcas de golpes, oriundos de marteladas. No dia dos fatos, vizinhos ouviram a discussão entre o casal e chamaram a polícia. Flávio, que trabalhava como operador de máquinas, foi detido e teria dito que a companheira o traiu.
O julgamento ocorrido ontem faz parte da última temporada do Tribunal do Júri de Rondonópolis deste ano. A pauta está inclusa na proposta do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que institui novembro o mês Nacional do Júri, um período de esforço concentrado para julgamento dos crimes dolosos – cometidos com intenção – contra a vida.
No entanto, conforme apurado pela reportagem, a pauta de julgamentos ficou quase toda prejudicada, hora por falta de defensor público, greve dos agentes penitenciários e até ausência de advogado de defesa, como ocorreu na terça-feira (22), quando estava previsto o julgamento de Célio Alves de Souza – acusado de envolvimento na morte dos irmãos Brandão Araújo Filho e José Carlos Machado Araújo, que foi adiado em virtude da ausência do advogado de defesa, Waldir Caldas Rodrigues, que é de Cuiabá.
Para este mês, segundo a assessoria da 1ª Vara Criminal, estava prevista a realização de 13 julgamentos, a maioria de acusados que estão recolhidos na Mata Grande.

1 comentário

  1. O cretino matou à marteladas, deveria ser pregado numa parede com pregos. Animal dessa extirpe não faz falta numa sociedade.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia