Papo Político

1 – SENHORES E SENHORAS,
sabemos que o Estado de Mato Grosso,  está “pegando fogo” diante a tantas denúncias de corrupção somados aos roubos bilionários dos cofres públicos, que desencadearam  na chamada “Lava Jato Pantaneira”, após a delação do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), e o reflexo disso já começa a aparecer no meio político de Rondonópolis. No feriado de 7 de Setembro, durante o desfile local, o que chamou a atenção foi a ausência de deputados estaduais, federais e senadores, que costumeiramente participam do desfile no município e aproveitam a oportunidade de ficar mais perto da população dado o famoso tapinha nas costas. Depois destas devastas denúncias, a ausência destes políticos levanta a suspeita de que “neste mato tem coelho”, pois diz aquele outro famoso ditado: “Quem não deve, não teme”.

Jayme Campos: “Além de Sachetti e Pátio, Jayme está fora das delações de Silval Barbosa e já vem se demonstrando empolgado para as eleições de 2018...”

Jayme Campos: “Além de Sachetti e Pátio, Jayme está fora das delações de Silval Barbosa e já vem se demonstrando empolgado para as eleições de 2018…”

SEM
a presença de deputados e senadores, quem nadou de braçada foi o prefeito Zé Carlos do Pátio (SD) e vereadores, que ainda mesmo sem ter feito vultuosos atos na administração municipal, sabem muito bem a arte de fazer política. Mas esperto mesmo foi o vereador Thiago Silva (PMDB), que poderá se candidatar a deputado estadual no ano que vem, pois o vereador seguiu a dica da Coluna, e foi arrebanhar votos fora de Rondonópolis. O vereador rondonopolitano Thiago está formando uma base nos bairros, mas a legenda peemedebista é pesada, o que lhe cobrará muito esforço para conseguir tal objetivo, já que para se eleger deputado, é preciso de muitos votos aqui e fora da cidade. Thiago Silva, que é muito vivo, durante o feriado de 7 de Setembro, partiu para o município de Guiratinga onde assistiu a 19ª edição da Mini Maratona do Rotary Club de Guiratinga 2017, ao lado do prefeito Humberto Bolinha (PSDB). Zé Carlos do Pátio pode ter reinado com os vereadores no feriado em Rondonópolis, mas em Guiratinga quem fez muita politica e quietinho foi Thiago Silva, inclusive com a entrega de troféus e medalhas para os campões da corrida que teve mais de cem participantes.

2 – NO DOMINGO
passado, comentamos que Rondonópolis tem em sua história o perfil de exportador de políticos para todo o Estado, mas cada dia que passa, diante dos escândalos de corrupção, os nomes que não aparecem nas listas de propinas e delações como do deputado federal Adilton Sachetti (PSB) e do prefeito Zé Carlos do Pátio (SD), vêm ganhando forças e se fortalecendo no meio político para alçarem voos maiores, como candidaturas ao governo estadual e a uma das duas vagas para o Senado Federal. Mas em Cuiabá, também existem outros nomes que poderão alavancar no meio político na atual conjuntura, como do secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande e ex-governador de Mato Grosso, Jayme Campos (DEM), este que já vem se demostrando empolgado pelo fato de estar entre os poucos políticos da velha e nova guarda que não foram delatados por Silval. Nas últimas semanas, ele já começou a propagar a intenção de ser candidato a governador com apoio, é claro, de seus correligionários que admitem a intenção do cacique do DEM ser mesmo candidato ao Senado. Jayme Campos iniciou na política pela Arena ajudando o irmão Júlio Campos em suas campanhas eleitorais.
Em 1982 elege-se pela primeira vez prefeito de sua cidade natal, Várzea Grande, pelo então PDS. Em 1990, já pelo PFL, elege-se governador de Mato Grosso. Em 1996 é eleito novamente à prefeitura de Várzea Grande, reelegendo-se em 2000.Foi senador da República, eleito em 2006 com 61% do votos válidos. Entre 2011/2012 presidiu a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal. Em 2016, sob mandato de sua esposa Lucimar Sacre de Campos, foi nomeado a cargo de Secretário de Assuntos Estratégicos da Prefeitura de Várzea Grande.

3 – FALANDO
sobre o calendário da Justiça Eleitoral, em meados do mês de abril já teremos uma ideia de quais serão os políticos que deverão disputar as eleições de 2018. Porém, agora faltando pouco mais de sete meses para abril, um deles já se antecipou em suas declarações. O atual ministro da Agricultura e senador licenciado, Blairo Maggi (PP), vem afirmando na imprensa que tem até abril para pensar se deixa o Ministério de Agricultura ou não, pois o seu retorno ao Senado até abril é condição legalmente obrigatória, já que a descompatibilização de qualquer pessoa que tenha cargo no Executivo e queira concorrer nas eleições tem de ser até seis meses antes da votação. Maggi tem deixado claro que a hipótese de não disputar as eleições existe, porém o presidente Michel Temer (PMDB), lhe deu até abril para decidir. “O presidente me deu esse prazo. Ele disse que se eu não for disputar, posso ficar com ele até o final do Governo”, declarou o ministro à imprensa.

4- AINDA
falando sobre vestígios de futura candidatura, um destes já está claro para o Colunista. No dia 14 de agosto, o prefeito de Rondonópolis, Zé Carlos do Pátio, foi conduzido, em Cuiabá, à presidência SD em Mato Grosso. Ele teve a aprovação de 99% dos presentes na reunião ampliada do partido realizada na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, onde votaram as lideranças do SD no estado. Na avaliação do Colunista, Pátio mal sabe, ou prefere não acreditar de que a militância está lhe conduzindo é para um cargo bem maior que um simples presidente estadual da legenda, ou um prefeito de Rondonópolis. Ocorre que para disputar e se eleger deputado estadual em 2014, Pátio teve a aprovação de 95% das comissões provisórias do Partido Solidariedade e agora à frente da legenda tem a responsabilidade da formação dos diretórios do SD em quase todos os 141 municípios do estado em que a sigla está presente. Com esta atribuição, na opinião do Colunista, Pátio será cobrado mais de perto desta militância que o ovaciona por todo o Estado, para ele entrar na disputa por uma vaga no Senado Federal ou até mesmo na sucessão estadual, onde na atual conjuntura do país, Pátio teria chances reais de uma vitória. Atualmente o prefeito de Rondonópolis tem penetração nos demais municípios do Estado ovacionado principalmente pela classe mais humilde de Mato Grosso, que está sem esperanças, pois à frente da prefeitura local nada pode contribuir de forma incisiva como vinha fazendo no parlamento estadual, antes de retornar à prefeitura.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia