CÁRCERE PRIVADO
Mulher e duas crianças foram feitas reféns por mais de 30 dias

O suspeito manteve a mulher e dois filhos, sendo um de três anos e outro de 6 meses, presos na própria residência, no bairro Jardim Por do Sol, em Rondonópolis

Homem foi preso em flagrante no momento em que retornou para a residência - Foto: Divulgação/Polícia Civil

Homem foi preso em flagrante no momento em que retornou para a residência – Foto: Divulgação/Polícia Civil

A motivação para que Evandro Dionízio da Silva, de 40 anos, mantivesse a mulher e dois filhos em cárcere privado em Rondonópolis, seria ciúmes do homem, conforme depoimento da vítima à Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, da Polícia Judiciária Civil (PJC-MT). O caso chocante foi descoberto pela polícia na manhã de anteontem (8), após denúncia anônima feita por duas mulheres. Evandro foi autuado em flagrante pelos crimes de sequestro, cárcere privado e ameaça contra a própria família. O suspeito responderá também termo circunstanciado de ocorrência (TCO) por uso de droga.
O suspeito manteve a mulher e dois filhos, sendo um de três anos e outro de 6 meses, presos na própria residência, no bairro Jardim Por do Sol. A casa onde as vítimas ficavam presas tinha dois portões trancados nos cadeados, muro alto, além de dois cachorros bravos soltos pelo quintal. “Ele também havia colocado uma lona nas grades, para impedir a visão de quem passava pela rua. A residência estava trancada e do lado de dentro ele havia quebrado as maçanetas”, explica a delegada Karla Peixoto, titular da Delegacia da Mulher de Rondonópolis.
Conforme a delegada, a criança e as mulheres recebiam alimentação duas vezes ao dia, e tinham condições mínimas de higiene. A criança de 6 meses sequer tinha registro de nascimento e o homem também costumava usar drogas na casa. A polícia estima que as vítimas tenham sido feitas reféns por mais de 30 dias.
A PRISÃO
Inicialmente, ao chegar na residência informada pelas denunciantes, os policiais civis verificaram que as portas e janelas do imóvel estavam fechadas. No entanto, conforme informações do possível estado de saúde das vítimas, os investigadores resolveram pular o muro. “As portas e janelas estavam trancadas, mas era possível perceber que havia alguém no interior do imóvel”, disse a investigadora Andrea Menezes, chefe de operações da Delegacia da Mulher.
Depois de se identificarem, os policiais solicitaram que a pessoa abrisse a porta, e logo foram informados pela mulher de que ela não tinha a chave. Os policiais perguntaram se a porta poderia ser arrombada e, com autorização, derrubaram a porta, vindo a encontrar a vítima de 24 anos, na companhia dos dois filhos.
Conforme informou a investigadora, a jovem estava muito assustada e afirmou temer pela vida das crianças. Em entrevista, ela relatou que não tinha permissão do marido para sair nem mesmo na área dos fundos de casa, que lavava as roupas no banheiro e colocava para secar dentro de um dos cômodos da casa. A vítima também contou que o único contato que tinha com o mundo externo era através de um aparelho celular, onde só tinha autorização para falar com o próprio marido e somente por mensagem pronta “me ligue”, quando então o suspeito retornava a ligação.
Em buscas na casa, foi localizada uma porção de maconha supostamente pertencente ao companheiro da vítima. Durante as averiguações no local do fato, Evandro acabou retornando para casa e foi abordado pelos policiais, sendo preso em flagrante. Com ele, foram encontradas outra porção de maconha e as chaves da residência. Evandro já tinha passagens pela polícia por roubo e tráfico de drogas.
De acordo com a chefe de operações, ao ser libertada a vítima chorava muito e agradeceu os policiais chamando-os de “anjos enviados por Deus, para salvar sua vida e dos filhos”.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia