ESTAÇÃO DE TRATAMENTO
Fedentina será debatida em audiência pública

Estação de Tratamento de Esgoto: mau cheiro exalado será tema de audiência pública - Foto: Arquivo

Estação de Tratamento de Esgoto: mau cheiro exalado será tema de audiência pública – Foto: Arquivo

Nesta segunda-feira (21), a partir das 19 horas, na Câmara Municipal de Rondonópolis, ocorrerá uma audiência pública convocada pelo vereador Adonias Fernandes (PMDB) para discutir soluções visando sanar a fedentina exalada da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), localizada no final da avenida Daniel Clemente e começo da “Rodovia do Peixe”.
A audiência foi convocada a partir de reclamações dos moradores da região Salmen que se queixam amargamente do mau cheiro nas imediações da ETE.
“Hoje, eu estimo que a cidade possui cerca de 70% do esgoto produzido tratado e, nos próximos dois anos, este patamar deve chegar a 100% e a fedentina poderá aumentar. É preciso tomar providências para cessar isso desde agora pois, da forma que está, a tendência é piorar. Vamos chamar, nesta audiência, a responsabilidade do Sanear e da empresa responsável pela ETE. Também iremos convidar para a discussão representantes da Justiça e do Ministério Público para que, se necessário, também possa tomar as providências legais, pois os moradores daquela localidade estão sofrendo há anos com o mau cheiro da ETE, que apesar de todo o investimento ainda vem apresentando este problema”, afirmou o peemedebista.
Esta situação vem sendo abordada em reportagens do A TRIBUNA. Ainda em novembro de 2014, o jornal mostrava a revolta de moradores por causa da fedentina nas imediações da ETE, como nos bairros Alvorada, Jardim Morumbi, Estrela Dalva, Residencial Dona Fiúca, Magnólia, Residencial Acácias, Rodovia do Peixe, dentre outras regiões.
“CLIMA”
Recentemente, conforme foi mostrado pelo jornal A TRIBUNA, o Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis (Sanear) reconhece o mau cheiro exalado da ETE. A autarquia informou, na ocasião, por meio da sua assessoria, que estava elaborando um estudo, em parceria com o Ministério Público e Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) para buscar a melhoria no quantitativo vegetal e, com isso, tentar amenizar o mau cheiro na região. Além de reconhecer o problema, ressaltou ainda que o mau cheiro tende a piorar nessa época de inverno, devido a inversão térmica.
Conforme a equipe de engenharia sanitária do Sanear, durante o tratamento do esgoto são liberados gases que dissipam no ar. “Mas, durante o inverno, a pressão da massa de ar frio faz com que esses gases não alcancem as regiões altas da atmosfera, e assim se concentram próximo ao solo, tornando o odor mais perceptível em torno da ETE”, explica.
Segundo o Sanear, “a ETE atende todos os parâmetros legais ambientais e funciona dentro da normalidade, com cerca de 80% de eficiência. E quando ela foi construída no ano de 1989, havia uma distância significativa da zona urbana da cidade para evitar transtornos para a população”, observa.

2 comentários

  1. Pois é, como precaução levarão máscaras contra gases e odores?

  2. E DEBATENDO A FEDENTINA VAI PARAR DE FEDER? KKKKKKKKKKKKKKKKK NÃO É SÓ LÁ QUE EXISTEM FEDENTINA DAS TREVAS EM RONDONÓPOLIS, SÃO VARIAS; SÓ QUE FICA CAMUFLADO PORQUE ATINGEM MENOS NÚMEROS DE PESSOAS, VOU CITAR SÓ MAIS UM LOCAL, POR EXEMPLO: ALI NAS CONFLUÊNCIAS DO CÓRREGO CANIVETE COM O ARAREAL, NOS FUNDOS DO BAIRRO ASSUNÇÃO, É UMA FEDENTINA FEDERAL NOS COMEÇOS DE NOITES. MAS… NINGUÉM TOMA AS DEVIDAS PROVIDÊNCIAS.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia