ORQUESTRA JOVEM
Prefeitura encerra convênio e projeto está em risco

Uma das justificativas do Município para o encerramento do convênio seria o custo elevado para a manutenção do projeto

Projeto atende 350 crianças e jovens de Rondonópolis - Foto: Roger Andrade

Projeto atende 350 crianças e jovens de Rondonópolis – Foto: Roger Andrade

Um dos projetos sociais mais bem sucedidos de Rondonópolis, a Orquestra Jovem, composta por 350 crianças e jovens até o fim do ano passado, vive um momento bastante delicado. A Prefeitura decidiu encerrar o convênio com o Instituto Ciranda, organização sem fins lucrativos situada em Cuiabá que era responsável pela orquestra, e as atividades via Poder Público foram encerradas. Na noite de ontem (18), uma equipe do Instituto Ciranda esteve na cidade em uma reunião com os pais e alunos da orquestra, informando sobre a decisão da Prefeitura.
Conforme explicou o maestro Murilo Alves, o convênio entre Município e o Instituto foi firmado na gestão anterior e, com a nova administração, o Instituto estava mantendo os trabalhos na cidade, enquanto as negociações para a renovação aconteciam. “Desde fevereiro nós retomamos as aulas, dentro das nossas condições, com reduções de professores, no intuito de sensibilizar o Poder Público sobre o tipo de trabalho que fazemos, o que é desenvolvido e quais são os ganhos sociais, humanos e culturais para quem participa do projeto e para a população da cidade. Estávamos dialogando com as secretarias de Cultura, Educação e de Assistência Social, que fazem parte da parceria com o Instituto Ciranda”, explicou Murilo.
Conforme o maestro, em reuniões com cada secretaria todas se manifestaram favoráveis a continuidade do projeto, e uma reunião foi marcada entre Instituto Ciranda, secretarias de Cultura, Educação, Assistência Social e o Jurídico da prefeitura, para sentar e discutir os custeios da orquestra. “A reunião estava marcada para quinta-feira passada, viemos de Cuiabá para participar, mas ninguém apareceu. Simplesmente não fomos atendidos. Recebemos então a informação por parte da Secretaria de Governo de que as demais secretarias já haviam se reunido e a posição oficial do Município era de que o convênio não continuaria”, disse. Segundo explicou o maestro, a informação recebida foi de que a Prefeitura não tem condições e nem interesse em renovar o convênio com o Instituto Ciranda e, por isso, a organização deve pedir o rompimento oficial do convênio firmado.
Uma das justificativas do Município para o encerramento do convênio seria o custo elevado. Fontes da reportagem informaram que o prefeito Zé Carlos do Pátio (SD) não teria interesse em encerrar a orquestra, mas foi convencido por um de seus secretários sob esse argumento. “Qualquer órgão fiscalizador pode confirmar para a Prefeitura que os custos para manter o projeto por meio do convênio são absolutamente menores por criança, do que se elas estivessem em aulas particulares, por exemplo. Além disso, o Instituto traz toda a estrutura, professores… Já pensou se a Prefeitura tivesse que contratar um professor para cada instrumento e um ainda um maestro? Então, essa informação de que o projeto é caro não faz o menor sentido”, explicou Murilo. A Orquestra Jovem existia há dois anos e já chegou até a se apresentar junto ao renomado cantor Ivan Lins em comemoração ao aniversário de Rondonópolis. A orquestra é distribuída nos polos das escolas municipais Professora Gildázia de Sousa, Firmício Alves Barreto e no Centro Cultural José Sobrinho.
INFORMAÇÕES DESENCONTRADAS
Na última semana, a Prefeitura chegou a divulgar a notícia de que preocupada em fomentar a cultura e música na cidade, iria ampliar o número de vagas e fortalecer a Orquestra Jovem. Esta informação chegou inclusive a ser publicada em nossas páginas, e também repassada oficialmente aos pais e alunos da Orquestra Jovem durante a apresentação do Dia das Mães realizada no Centro Cultural José Sobrinho.
Conforme o maestro, o Instituto Ciranda já havia sido informado do rompimento do projeto, mas manteve a apresentação do Dia das Mães e estranhou o anúncio.
Ontem (18), devido a notícia de que o convênio seria encerrado ter ganhado força, a Prefeitura replicou a mesma informação e informou que irá reformular o projeto. “A ideia é que o projeto passe a contar com 20 professores locais que vão atender 600 alunos em seis polos. Antes, o projeto tinha apenas 12 professores e atendia 200 alunos e gerava um custo de R$ 395 mil. No entanto, ao averiguar o projeto, o prefeito identificou que R$ 165 mil eram destinados para transporte, hospedagem e alimentação dos professores, enquanto apenas R$ 230 mil eram destinados para as aulas de música”, informou a Prefeitura.  Nenhum prazo foi dado para a prometida reformulação do projeto.
INICIATIVA PRIVADA
Existente há 14 anos e atuando em 7 cidades do Estado na formação de crianças e jovens, o Instituto Ciranda, se antecipando à troca de gestão e prevendo possíveis dificuldades, fez um cadastro no Ministério da Cultura, que teve um parecer positivo, e agora a Orquestra Jovem está apta a captar recursos via Lei Rouanet. “Com isso, as empresas que declaram o lucro real no Imposto de Renda podem doar 4% do valor a ser pago para o Projeto, e depois deduzir do IR. Nós pedimos que quem se interessar procure o Instituto Ciranda. Não podemos simplesmente encerrar um projeto como esse, e a nossa esperança é a iniciativa privada. É claro que não será nos mesmos moldes, nas dimensões que ela tinha com o Poder Público, mas pelo menos ela será mantida”, disse o maestro. O telefone para contato do Instituto Ciranda é o (65) 3623-1239 ou (65) 98402-9723.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia