Velando o Ipê-amarelo

 

Hermélio Silva, secretário de imprensa

Hermélio Silva, secretário de imprensa

Já era um ente
Querido.
Um ponto frondoso,
Florido.
Umas das sete maravilhas,
Perfeito,
Rejubilou
Eleito.
Escolhido
Em dois mil e sete.
Vergou
Em dois mil e dezessete.
Choramos aos prantos
Velando nosso filho,
Numa cripta imaginária.
O seu eterno brilho.

Uma lufada de vento
O derrubou…
No sétimo dia,
Deus descansou.

(*) Hermélio Silva é escritor e membro fundador da Academia Rondonopolitana de Letras, cadeira número 6

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia