HABITAÇÃO
Novas empreiteiras serão contratadas para concluir residenciais

Paulo José, secretário de Habitação: buscando resolver os impasses nos residenciais populares - Foto: Roberto Nunes/A TRIBUNA

Paulo José, secretário de Habitação: buscando resolver os impasses nos residenciais populares – Foto: Roberto Nunes/A TRIBUNA

As obras do Residencial Dona Neuma e do Residencial Celina Bezerra atualmente estão paradas devido a problemas diversos. Juntos, os residenciais somam mais de 5 mil residências. Segundo o secretário Municipal de Habitação, Paulo José Correia, a expectativa é que as obras sejam retomadas entre os meses de fevereiro e março deste ano.
“No Residencial Dona Neuma são 470 casas que serão entregues. Haviam duas empresas que estavam em execução destas residências, mas elas entraram em recuperação judicial. Após a eleição do prefeito José Carlos do Pátio (SD), nós fizemos várias reuniões com a Caixa Econômica Federal (CEF), e fomos informados que já foi feito uma nova avaliação sobre o que falta para terminar o Residencial Dona Neuma. Hoje [ontem], liguei para o superintendente da Caixa na parte de habitação, José Pereira, o qual informou que o processo está pronto e existe três empresas com capacidade técnica para terminar as obras. Falta apenas a liberação do recursos, que, assim que forem liberados, vai ser possível contratar uma destas três empresas. Uma delas é de Rondonópolis. Hoje a obra está parada, porém a vontade é de retomar a obra entre os meses de fevereiro ou março”, disse Paulo José.
Sobre as obras do Celina Bezerra, o secretário explicou que são com recursos do Banco do Brasil, por meio do Ministério das Cidades. “1.140 apartamentos já estão quase prontos. Sobre esta quantia fizemos uma reunião com o prefeito e o superintendente do Banco do Brasil em Cuiabá. A parte do BB foi resolvida e os pagamentos estão em dia. O que está faltando para retomada das obras é uma contrapartida do Governo do Estado, na ordem de R$ 2,5 milhões. Outros 1.452 apartamentos são de responsabilidade de uma construtora que também entrou em recuperação judicial. O Banco do Brasil fará a contratação de uma nova empresa para retomada das obras”, informou Paulo José.
O Residencial Dona Neuma está com as obras paralisadas desde o início de 2015. O novo residencial fica na região do bairro Vila Rica. O empreendimento faz parte do programa “Minha Casa, Minha Vida” na faixa 1, em que os moradores devem ter renda de até R$ 1,6 mil mensais, e as parcelas cheguem a até 5% da renda familiar.
O conjunto habitacional “Celina Bezerra” teve as obras iniciadas em 2014 em uma área após o parque de exposições, ao lado do Residencial Alfredo de Castro. As obras eram tocadas por duas construtoras diferentes, sendo que uma delas avançou na construção de 1.140 apartamentos e a outra, que estava responsável pela construção de 1.452 apartamentos, passou por dificuldades financeiras. Trata-se do maior conjunto habitacional popular previsto para Rondonópolis.
O projeto do “Celina Bezerra” prevê sua construção em duas etapas, sendo a primeira com 2.592 apartamentos pelo “Programa Minha Casa, Minha Vida – Faixa 01”, voltado para famílias com renda entre 0 a R$ 1.600,00. O residencial vem sendo construído em blocos verticais de 04 andares, com 04 apartamentos por andar.
Em uma segunda fase, o projeto inicialmente prevê a construção de mais 1.438 apartamentos, totalizando 4.030 apartamentos. A estimativa inicial era que o complexo demandasse mais de R$ 162 milhões, com financiamento junto ao Banco do Brasil.
Os problemas na execução do conjunto habitacional já se arrastam desde 2014, com atrasos nos pagamentos das construtoras por parte do Governo Federal.

2 comentários

  1. Engº. TADEU HIRACHI

    DENTRO DE POUCO TEMPO VAI FALTAR EMPRESAS COM CAPACIDADE TÉCNICA, FINANCEIRA E OPERACIONAL PARA EXECUTAR OBRAS COM RECURSOS FEDERAIS GERIDOS PELA CEF E PELO BB E EM PARCERIA COM O GOVERNO DO ESTADO E A PREFEITURA DE RONDONÓPOLIS; QUASE TODAS AS BOAS EMPRESAS ESTÃO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL CAUSADAS POR ATRASOS DE PAGAMENTOS DE MEDIÇÕES OU DESISTIRAM DE VEZ DE OBRAS PÚBLICAS. A PREFEITURA DE RONDONÓPOLIS JÁ É CONSIDERADA TRADICIONAL CALOTEIRA DESDE O PRIMEIRO MANDATO DO JOSÉ CARLOS JUNQUEIRA, O ZÉ DO PÁTIO. ESTOU ACOMPANHANDO ESSES PROCESSOS DE PERTO E SEI QUE A CEF NÃO ESTÁ CONSEGUINDO EMPRESAS PARA CONTINUAREM AS OBRAS DAS CASAS E APARTAMENTOS, O MESMO OCORRENDO COM O BB. FALTA MORAL, DIGNIDADE,HONRADEZ, HONESTIDADE E SERIEDADE AOS ADMINISTRADORES PÚBLICOS DAS ESFERAS FEDERAL,ESTADUAIS, MUNICIPAIS E BANCOS E EMPRESAS ESTATAIS. TODOS ELES.

  2. Preciso da casa porque estou pagando aluguel tenho três filhos meu nome é lucilene ferreira dos santos

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia