Rondonópolis: Terra de Oportunidades

Na última década a região do shopping foi a mais valorizada e a que mais se verticalizou, graças à modernidade dos edifícios residenciais e hotéis ali instalados

Na última década a região do shopping foi a mais valorizada e a que mais se verticalizou, graças à modernidade dos edifícios residenciais e hotéis ali instalados

A posição geográfica estratégica tem contribuído para o crescimento econômico de Rondonópolis e oferece um leque de oportunidades aos investidores que buscam expandir e diversificar seus negócios: no agronegócio, a partir da cultura de soja, algodão e produtos primários em geral; na pecuária de corte e leiteira, destaca-se um dos rebanhos de melhor qualidade genética do país, com excelentes índices de produtividade. Oferece oportunidades no setor de unidades esmagadoras de soja; na produção de fertilizantes, polo químico, têxtil e do couro; no comércio de maquinários, utilitários, motocicletas e comércio em geral; no transporte (Rondonópolis é considerada o maior polo graneleiro e a “Capital Nacional do Bitrem”). O comércio é integrado por quase 20.000 estabelecimentos, incluindo grandes redes de supermercado e lojas de departamento, além de um shopping center. Outra fonte de recursos econômicos é o turismo, além do ecoturismo, mas o setor de serviços aparece com grande destaque na economia. E em 2013 com a inauguração do Complexo Intermodal da Ferronorte (hoje Rumo ALL) já se percebe no município o início de processo de impacto em termos de incremento de receita pública e da circulação de renda dos trabalhadores diretamente alocados no terminal. Esses fatores, em conjunto, tendem a alavancar cada vez mais as projeções de fortalecimento da economia rondonopolitana.

DESAFIOS DO CRESCIMENTO

PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO: Atrás da prosperidade vêm os problemas do crescimento desordenado, as novas demandas de serviços, os gargalos estruturais a serem resolvidos, além das deficiências já existentes.
Na última década em Rondonópolis houve um expressivo crescimento e processo de transformação, não só no aspecto econômico e urbano como nos aspectos sociais e culturais da cidade.
Em decorrência da política econômica vigente, os empresários, os grupos agropecuários e a classe dos grandes produtores ligados ao agronegócio, e através dos altos investimentos passaram a desfrutar das novas técnicas de produção, do conforto e de comportamentos inerentes ao status burguês. Enquanto isso uma significativa faixa de moradores são explorados como produtores de riqueza, vivem na dura realidade da periferia e em condições precárias, e consegue o mínimo para repor a sua força de trabalho e a de sua família. Estas pessoas assistem como espectadoras às mudanças e ao sucesso do crescimento da cidade.
Nos últimos anos chegaram ao município novas empresas e franquias lindamente instaladas e construções de grandes indústrias nacionais e multinacionais de renome.
Em contrapartida, nos últimos trinta anos a natureza foi exaurida ao máximo sendo nossos rios assoreados e contaminados em nome da ambição, da riqueza fácil e do progresso a qualquer preço.
Quanto ao aspecto urbano, as mudanças saltam aos olhos, na construção civil. Desde 2003 Rondonópolis ganhou mais de 55 novos residenciais, bairros e loteamentos. A cidade registra o maior número de lançamentos e construções de casas, condomínios e edifícios residenciais dos últimos tempos, sejam casas de luxo ou popular. Tanto que Rondonópolis se transformou na cidade com maior construção de edifícios do estado. Na última década a região do shopping foi a mais valorizada e a que mais se verticalizou, graças à modernidade dos edifícios residenciais e hotéis ali instalados.
Em relação ao tráfego urbano, a pacata cidade deu lugar a um volumoso trânsito: lento, e em alguns horários até engarrafado; também são inúmeros os faróis e sinalizadores; e ainda assim há um grande número de acidentes de automóvel, principalmente de motos.
Já os maiores problemas de Rondonópolis se concentram no setor da saúde: se há vinte anos era crítico, hoje os desafios são gigantescos. O médico Jaéder Carlos Pereira Junior afirma que qualquer pessoa de qualquer classe social vai falar que nosso atendimento em saúde não é bom. “A saúde, realmente, é nosso maior desafio”, assegura. E ele finaliza: “O mais grave é que não vejo perspectiva de nenhuma melhoria”.
No aspecto segurança pública, a cidade antes tranquila deu lugar à constante violência enquanto o perigo e o medo rondam o cidadão dentro ou fora de casa. Sabe-se que o tráfico de drogas é uma das raízes das mazelas sociais que crescem em nosso meio, são: assaltos à mão armada, furtos latrocínios, homicídios e estupros; e o pior mesmo é saber que nossos filhos podem ser aliciados ao mundo das drogas que dissemina na sociedade. E as autoridades de segurança pública não estão equipadas e preparadas para atender tantos clamores da população que fica refém de marginais, que agem sem o menor escrúpulo ou humanidade.
Já os hábitos da pequena cidade deram lugar a fatores culturais vindos com o mundo das baladas de final de semana; do domingo que não é domingo sem o churrasco e a cervejinha gelada; e o que falar daquele churrasquinho saboreado nas esquinas; sem contar os finais de tarde quando são sorvidos o tereré ou o chimarrão, além da prática de caminhadas em alguns trechos da cidade; já a mania pelas academias e utilização de celulares, smartphone ou iPode virou vício, mesmo para aqueles que não tem condições de comprá-los. E são tantos outros hábitos dessa sociedade moderna, impossíveis de serem enumerados nesse espaço e momento.
COMO SUPERAR PROBLEMAS: A solução para melhorar a qualidade de vida de nossas crianças e de nossos jovens estaria na implantação de uma educação de qualidade, na prática e incentivo das artes e dos esportes. Todavia, em Rondonópolis não há políticas públicas para construir, estruturar, equipar e qualificar profissionais para esses atendimentos. Faltam ginásios, falta um espaço adequado para espetáculos, e os projetos individuais de sucesso são pulverizados nas escolas, grupos ou associações, que se ressentem de apoio e de reconhecimento das autoridades.
Acorda Rondonópolis! Vamos mudar essa realidade e presentear o município com boas novas neste seu aniversário de Emancipação-Político-Administrativa.
PARABÉNS RONDONÓPOLIS.

(*) LUCI LÉA LOPES MARTINS TESORO, Doutora em História Social pela USP e autora do livro “Rondonópolis-MT: Um entroncamento de mão única. Contato lllmt@terra.com.br

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia