Papo Político

1 – SENHORES E SENHORAS,
no domingo passado comentamos aqui que, com vistas no espaço aberto para candidaturas estaduais em Rondonópolis e região em 2018, o deputado estadual Max Russi (PSB), que tem sua base eleitoral em Jaciara, vem se expandido para Rondonópolis e demais municípios da região. Mas durante conversa com lideranças políticas da cidade, não somente ele vem investindo para arrebanhar votos no município para as eleições de 2018, mas outros deputados como Janaína Riva (PMDB) e Eduardo Botelho (PSB), que possuem base na capital do Estado, ambos estão trabalhando forte para montarem bases eleitorais na cidade. Sobre estas articulações, o Colunista foi informado que isso tem preocupado o deputado estadual Nininho (PSD), que pode perder parte de seu eleitorado local para os candidatos forasteiros.
COM ESSA
preocupação, o deputado Nininho já estaria preparando um contraponto eleitoral para não perder seus votos e manter suas bases. Uma destas articulações é a defesa do nome do vereador Hélio Pichioni (PSD), seu companheiro de partido, para encabeçar a chapa como presidente da mesa diretora da Câmara Municipal para o próximo biênio 2017/2018. Pichioni está entre um grupo de 11 vereadores que se organiza para formação da mesa diretora do Legislativo, junto com os eleitos pelo Partido Solidariedade (Vilmar Pimentel, Orestes Miráglia, Juary Miranda e João Batista Soares); do PRTB, Moacir José da Silva, o Bilú, e Roni Cardoso; do PSDB, Rodrigo da Zaeli, Jailton Dantas e o professor Carlos Alberto Guinâncio Coelho; além do vereador João Mototáxi (PSL). Até então o nome forte para encabeçar esta chapa seria de Zaeli, no entanto Nininho está “puxando a brasa” para o vereador do PSD, inclusive com as conversações bem adiantadas com o prefeito eleito José Carlos do Pátio (SD), que assim garantiria o apoio da futura mesa diretora do legislativo.
AINDA SOBRE
o deputado Max, este vem mostrando boa articulação junto ao governo de Mato Grosso. No último dia 11, ele participou da inauguração da nova sede da 2ª Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran), obra de sua indicação ao governado Pedro Taques (PSDB). Além de ditar muitas regras no Detran local, o deputado tem falado aos quatro ventos que no ano que vem destinará muitas das suas emendas parlamentares para Rondonópolis. Agora é esperar pra crer. Na avaliação do Colunista, caso isto se concretize, será muito bom para cidade e com certeza o deputado Max Russi logrará exito nas urnas, já que o município anda muito abandonado pelos deputados estaduais eleitos por aqui. Fato que tem sido muito comentado pelos vereadores da cidade, que dizem que estão recebendo da população todas as demandas que seriam dos deputados, diante da ausência deles.

Rogério Salles: “Seria possível ser ele o indicado pelo PSDB para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico na gestão de Zé do Pátio?...”

Rogério Salles: “Seria possível ser ele o indicado pelo PSDB para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico na gestão de Zé do Pátio?…”

2 – ACABADA
as eleições municipais, o PSDB e o prefeito eleito Zé do Pátio (SD) devem caminhar juntos na próxima gestão municipal que começa em janeiro de 2017. Tanto é que chegou para este Colunista que dias atrás o Zé se reuniu com o atual vice-prefeito Rogério Salles (PSDB), que disputou a Prefeitura de Rondonópolis contra ele e ficou em terceiro lugar, quando o prefeito eleito colocou à disposição dos tucanos a indicação do secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico. Desde de que se elegeu deputado estadual em 2014, Pátio tem se mostrado próximo da classe empresarial para somar esforços em prol ao crescimento de Rondonópolis e de dias melhores para a camada mais humilde, que é a maioria dos seus eleitores. A princípio, com o convite Pátio, Rogério Salles não se posicionou sobre a indicação do partido para a Secretaria, no entanto, o prefeito eleito está aguardando a resposta dele e reafirmou a possibilidade durante uma reunião na semana passada com o presidente da Assembleia Legislativa Guilherme Maluf e o governador Pedro Taques, ambos do PSDB.
Fica portanto a expectativa de que o próprio Rogério Salles, que foi adversário de Zé do Pátio, possa vir a assumir a Secretaria de Desenvolvimento Econômico da próxima gestão. Seria uma indicação dos novos ares da vida pública de Rondonópolis e um fato inédito na acirrada política local.

3 – UM GRUPO
de parlamentares tem articulado, há várias semanas, a possibilidade de que o senador José Medeiros (PSD) lance seu nome à Presidência do Senado, em sucessão a Renan Calheiros (PMDB-AL). As tratativas foram confirmadas pelo próprio pessedista, atual vice-líder do governo Michel Temer (PMDB), que revelou, em entrevista já publicada pelo A TRIBUNA, ter conversado com outros colegas de Parlamento a respeito da possibilidade. A votação deverá ocorrer em fevereiro do ano que vem e o senador alagoano, que hoje comanda a Casa, não poderá disputar uma nova eleição devido a impedimentos de ordem jurídica devido a sua ficha suja.
Mas na opinião de muitos pela política afora, caso Medeiros chegue a ser eleito presidente do Senado Federal, terá que “Engolir Sapos”, sendo que por trás dele poderá ficar ditando as regras toda a corja política de Brasília, não lhe dando chance para decisões democráticas e honestas para o povo brasileiro. Sabendo disso, Medeiros tem dado “linha à pipa” para se fortalecer diante a essa notícia pela preferência do seu nome pelo Palácio do Planalto, pois a sua índole não é de se curvar para interesses ocultos do governo que mesmo tendo Michel Temer no poder, ainda tem o ranço dos mensaleiros, petroleiros e tantas outras irregularidades e escândalos descobertos a todo o momento.

4 – APÓS SER DERROTADO
nas urnas, a palavra de ordem do prefeito Percival Muniz (PPS) para os vereadores eleitos pelo seu partido e grupo político é de não se “entrosarem” com os vereadores do atual grupo de oposição. Percival tem orientado o seu grupo para formação da mesa diretora da Câmara Municipal, projeto político que também não está favorável a ele, já que como comentamos na semana passada, o grupo de 11 vereadores, formado desde o dia 20 de outubro, visando a disputa da presidência da edilidade, que inclusive já havia definido o nome do vereador Cláudio da Farmácia (PMDB) para encabeçar a chapa da nova mesa diretora, não tem mais os votos suficientes para sustentar a chapa. O grupo era formado pelos três vereadores do PMDB, Adonias Fernandes, Cláudio da Farmácia e Thiago Silva; do PPS, os vereadores Fábio Cardozo e Thiago Muniz; PSC, Elton Mazette; do PSL, os vereadores Beto do Amendoim e João Mototáxi; Silvio Negri, do PC do B; o professor Sidnei, do PDT; e Roni Magnani, do PP. Dos 11 vereadores desta formação, o vereador eleito João Mototáxi foi o primeiro que “roeu a corda” e somou com o grupo de dez vereadores contrários a esta chapa. Além dele, o professor Silvio Negri também teria passado para o outro lado.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia