SAÚDE E ACONTECE
Conheça os efeitos da Síndrome de Abstinência Neonatal

bebe neonatal

A síndrome de abstinência neonatal (SAN) engloba um grupo de problemas de saúde que um bebê pode apresentar quando a mãe utiliza drogas e álcool durante a gestação. Praticamente tudo o que ela ingere passa para a criança por meio da placenta; nesse caso, os entorpecentes podem gerar dependência no feto. Os sintomas mais comuns são irritabilidade extrema, hipersensibilidade, tremores e alteração do padrão do sono. Eles surgem geralmente entre o primeiro e o terceiro dia de vida, quando se inicia a SAN.
Em relação à ingestão de bebidas alcoólicas, quando acontece até a oitava semana de gravidez, período em que a maioria das mulheres não sabe que estão grávidas, o feto pode desenvolver alterações faciais e malformações em outros órgãos, como coração e rins. Contudo, o principal órgão atingido é o sistema nervoso central.
“O dano cerebral é generalizado e podem surgir anormalidades funcionais à medida que a criança cresce. Os problemas mais frequentes são dificuldade na linguagem e, principalmente, no aprendizado de matemática; o quociente intelectual é baixo, em torno de 70, além do déficit de atenção e hiperatividade, que pode estar presente em 50 a 90% dos casos”, explica a dra. Conceição Segre, coordenadora do Grupo de Trabalho sobre os Efeitos do Álcool na Gestante, no Feto e no Recém-nascido da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP).
Prejuízos à saúde
A cocaína, por exemplo, tem potencial de ocasionar restrição do crescimento fetal, interferindo na diminuição do peso de nascimento. Já no caso da maconha, alterações no sistema nervoso do feto e distúrbios neurocomportamentais.
A síndrome de abstinência neonatal pode ser diagnosticada intraútero, quando a mãe se encontra em desintoxicação. Na ultrassonografia, verifica-se aumento da movimentação fetal, alterações cardíacas e sinais de comprometimento da oxigenação fetal. Após o nascimento, confirma-se o quadro com exame clínico do recém-nascido; alterações neurológicas podem ser visualizadas com exames de imagem.
“No decorrer da vida do indivíduo, a doença pode se manifestar por alterações comportamentais, dificuldades de aprendizado, de linguagem e de socialização, assim como retardo mental e toxicodependência”, afirma dra. Conceição.
Em relação, especificamente, ao álcool, os sinais variam desde a presença de sopros até casos graves de insuficiência cardíaca; se o rim for atingido, pode acarretar em infecções urinárias e chegar à insuficiência renal aguda. O comprometimento neurológico é sempre o mais grave.
Quanto ao consumo do tabaco, estudos comprovaram que o fumo diminui o peso fetal em até 200g, além da possibilidade de sofrer com afecções e patologias respiratórias, como asma, bronquite e rinite alérgica.

6 comentários

  1. Bruno aparecido alves

    Minha filha de dois meses a mae dela é usuária gostaria de saber se tem alguma forma de poder cortar a abstinência na hora para ela poder dormir tem algum remédio ou alguma forma para poder deixar ela tranquila?

  2. Daiane figueira

    Olá Bruno. Estou passando pelo mesmo problema. Adotei um bebe e hj ele esta com dois meses e meio. A mae era usuaria de crack. Meu bebe é muito irritado. As vezes nao gosta nem que coloque a mao nele. Chora sem parar… ja n sei mais o que fazer… estou entrando em depressão. Ele vem piorando á cada dia… tá difícil de mais. Ainda mais porque tenho outra filha com dois anos de dois meses de idade. É as crises do bebe está afetando a família inteira… ninguém mais dorme e nem come direito… ele tá sempre gritando e brigando mesmo enquanto dorme…. tô desesperada….

  3. Georgia Anália

    Minha amiga me socorra , tou na mesma situação não sei os fazer

  4. Georgia Anália

    Tou na mesma situação oq devo fazer ?

  5. Luciana de Souza Gomes

    Boa tarde, gostaria de saber o nome da pessoa que pesquisou e escreveu a matéria.

  6. Oi tudo bom!?olha eu estou criando um bebê que a mãe e usuária ,e ultilizou cocaína a gestação inteira,nele os médicos estão usando clonazepam.e ele melhorou muito

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia