ESPAÇO DIET
REFRIGERANTE DIETÉTICO CAUSA DIABETES?

refrigerante

De tempos em tempos, os adoçantes artificiais e os refrigerantes dietéticos são acusados de promover efeitos indesejáveis sobre o organismo como, por exemplo, o aumento do risco de obesidade e mesmo de diabetes. Os resultados do San Antonio Longitudinal Study of Aging, apresentado no Congresso da ADA, em 2011, mostrou uma associação entre o consumo de refrigerante dietético com um aparentemente inexplicável aumento da circunferência abdominal. Como isso seria possível?
O estudo acompanhou 474 participantes, com idades entre 65 e 74 anos, por um prazo médio de 9 anos, avaliando as alterações na circunferência abdominal durante o tempo em relação ao consumo de refrigerantes dietéticos pelos participantes. Os resultados mostraram que houve um aumento de 70% na circunferência abdominal, em comparação a aqueles que não consumiam refrigerantes dietéticos. Aqueles que consumiam dois ou mais refrigerantes dietéticos por dia apresentaram um aumento cinco vezes maior na circunferência abdominal, mesmo excluindo a possível interferência de vários outros fatores que poderiam explicar esse resultado. Na verdade, os resultados desse estudo confirmaram os achados de outro estudo desenvolvido em 2008 pelos mesmos autores, o qual mostrou que o consumo de 21 refrigerantes dietéticos por semana esteve associado a um risco quase dobrado de sobrepeso. Mas, será que esses achados efetivamente confirmam as consequências nocivas dos refrigerantes dietéticos sobre o peso corpóreo?
Não necessariamente, parece ser a resposta mais correta para essa pergunta. É importante ressaltar que esses estudos epidemiológicos ou observacionais e sem nenhuma intervenção definida não são a melhor modalidade de pesquisa para se concluir, com razoável certeza, a procedência dessas afirmações. Por outro lado, a modalidade ideal de estudo clínico para essa situação seria um estudo duplo cego, controlado com placebo e com intervenções bem definidas durante a evolução do estudo. Por exemplo, um grupo deveria tomar sistematicamente duas latinhas de refrigerante dietético por dia, ao passo que o grupo controle deveria se restringir a consumir apenas água com aparência e sabor semelhantes aos refrigerantes dietéticos de verdade. Com essa comparação, estaríamos efetivamente em condições de analisar o impacto dos dietéticos sobre o peso corpóreo, de acordo com uma metodologia estatística perfeitamente adequada.
Existem algumas explicações possíveis para os resultados inesperados do estudo de San Antonio, como por exemplo: a) as pessoas que consomem refrigerante dietético teriam algo mais em comum e que seria a causa real para o ganho de peso; b) os consumidores de dietéticos teriam a sensação de que já estavam reduzindo substancialmente seu consumo calórico e, por essa razão, se sentiriam mais a vontade para comer mais das outras coisas; c) também seria possível que o sabor adocicado dos dietéticos sem calorias pudessem estimular o apetite por algum mecanismo desconhecido, fazendo com que seus usuários consumissem maior quantidade de alimentos.
Em resumo, a correta análise estatística dos resultados pode evitar que interpretações equivocadas dos dados nos levem a falsas conclusões. Se você decidir consumir refrigerante dietético, faça-o com moderação e cuide-se para não consumir calorias excessivas de outras fontes alimentares. No caso específico de pacientes com diabetes conhecido, não há dúvidas que o mais indicado ainda é o refrigerante dietético.

Por Dr. Augusto Pimazoni-Netto, Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim e Hipertensão da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia