RESIDENCIAL
“Magnólia” também continua com invasores

Residencial Magnolia no comeco da Rodovia do Peixe - 15-05-14

Não é apenas o Residencial “André Maggi”, na região do Residencial “Sagrada Família”, que convive com o problema da invasão em Rondonópolis. O Residencial “Magnólia”, na região da entrada da Rodovia do Peixe, ainda continua com cerca de 30 imóveis invadidos. Em maio deste ano, muitos dos invasores deixaram por conta própria o “Magnólia”, mas a desocupação não foi completa.
O secretário de Habitação e Urbanismo do Município, Roberto Carlos Correa de Carvalho, explicou ao Jornal A TRIBUNA que a construção do “Magnólia” é de responsabilidade da Caixa Econômica Federal, com execução da empresa Pontual. Ele externou que a Caixa já obteve a reintegração de posse dos imóveis invadidos no “Magnólia”, aguardando o seu cumprimento pela Polícia Federal.
Conforme Roberto Carlos, a esperança é que os imóveis ainda invadidos no “Magnólia” possam ser desocupados pela Polícia Federal na mesma operação que está sendo articulada para desocupação do Residencial “André Maggi”, com 500 casas ainda invadidas. A estratégia de desocupação do “André Maggi” está prevista para ser definida nesta sexta-feira (29) – Veja notícia na página A*6 desta edição.
Em conversa com engenheiro da Pontual, Roberto Carlos recebeu a informação que, enquanto parte das casas continua invadida, a empresa tem trabalhado em serviços estruturais no “Magnólia”, como construção de galeria de água pluvial, meio-fio, calçadas, rede esgoto, muro de arrimo e pavimentação.

Além do Residencial “André Maggi”, o Residencial “Magnólia”, na região da entrada da Rodovia do Peixe, ainda continua com cerca de 30 imóveis invadidos

Além do Residencial “André Maggi”, o Residencial “Magnólia”, na região da entrada da Rodovia do Peixe, ainda continua com cerca de 30 imóveis invadidos

A Pontual repassou ainda ao secretário que realizou um levantamento acerca das avarias e prejuízos causados nas casas invadidas e o repassou para a Caixa. Com isso, estão aguardando uma posição da Caixa, assim como a total desocupação dos imóveis, para retomar os trabalhos nos imóveis.
O Residencial “Magnólia” 1 e 2 conta com 560 casas e o Residencial Dona Fiúca, em anexo, com 200 casas. A previsão de entrega da primeira etapa do “Magnólia” era para o início de junho deste ano, o que foi adiado em função da invasão.

3 comentários

  1. Essa história de invasões de residenciais em construção é um afronte à cidadania e decência, de modo que são totalmente condenáveis pela Lei e pela sociedade, cujos invasores devem ser tratados com rigor, pois já virou moda invadir. Isso tem que acabar em definitivo.

  2. A DONA DILMA CONSTRÓI AS MORADIAS, MAS A BANDIDAGEM NÃO RESPEITAM A DECÊNCIA E A ORDEM; AI FICA COMPLICADO…..

  3. Leoginio Rabelo

    Como os valores vão se em vertendo ultimamente, o mais forte em vadia os mais fracos, agora os fracos atrapalhando os fracos, não se trata mais de forças física ou econômica, fraqueza de mente, o que permanece é o desrespeito as pessoas e a propriedade alhea. O Estado tem de ser competente e agir c /rigor.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia