Superpoços seriam a solução para a cidade

Com a proposta de eliminar o racionamento na distribuição de água em Rondonópolis, o Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis (Sanear) elaborou projeto de construção de seis poços tubulares profundos de alta vazão, conhecidos como superpoços. A intenção é executar a obra com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) do Governo Federal.
O deputado federal Wellington Fagundes apresentou a ideia do projeto ao Ministério das Cidades e também na Caixa Econômica Federal, em Brasília, e ambos aprovaram. Para dar encaminhamento ao projeto, o prefeito de Rondonópolis, Ananias Filho vai entregar aos técnicos da CEF, nesta segunda-feira (1º/10), o plano de trabalho para a execução das obras, visto que os recursos já estão garantidos.
O diretor do Sanear, Jean Carlos Lino juntamente com a área técnica da autarquia municipal, acredita que com a vinda dessa equipe o projeto deve ser aprovado o mais rápido possível, acelerando a liberação do recurso.
Atualmente, a rede conta com 36 poços de pequena profundidade e baixa produção, que não são suficientes para atender a demanda crescente. É necessário aumentar a captação ainda mais por causa da criação de novos residenciais populares. Até dezembro. cerca de 7.500 casas serão entregues e o município tem projetos para mais 10 mil em 2013.
Jean Lino acredita que a alternativa para solucionar esse problema é a construção de seis “superpoços”, projeto inovador na cidade. Essas unidades são perfuradas com grande profundidade, o que garante alto volume de captação. A água será proveniente do aquífero Furnas, principal reservatório de água subterrânea da região com extensão total de 24.894 km².
O diferencial dessa proposta é que um dos poços está projetado para ser revestido com aço inox, o que segundo o geólogo João Carlos Casarin, isola a água de qualquer contato com o meio externo. Isso traria ao município a possibilidade de envasar e distribuir água potável.
ÁGUA MINERAL X ÁGUA POTÁVEL
A água é classificada como mineral por ser proveniente de fontes naturais e possuir propriedades químicas ou físicas – normalmente sais minerais – algumas até com ação medicamentosa. Já potável, é assim denominada por ser própria para o consumo humano diretamente da fonte sem qualquer risco para a saúde, podendo ser tratada ou não antes do consumo, e sem alteração do gosto.
SERVIÇO DE RECUPERAÇÃO
Pela terceira semana seguida,  moradores de muitas regiões de Rondonópolis enfrentaram falhas no abastecimento de água. Desta vez, um serviço de recuperação da Estação de Tratamento de Água (ETA), junto à Avenida Lions Internacional, foi apontado como a causa do problema. O engenheiro civil do Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis (Sanear), Edvaldo Ferreira da Silva, esclarece que agora está sendo feita a troca do leito filtrante e das calhas dos decantadores da Estação. As trocas iniciaram na terça-feira (25) e se estenderiam até este final de semana.
Nesse período, o engenheiro ressalta que está havendo uma diminuição em torno de 30% na produção de água pela ETA da cidade. As regiões que estavam com o abastecimento comprometido são as do Centro, da grande Vila Aurora, do Santa Cruz/Planalto, do Jardim Primavera, do Monte Líbano, da Salmen, do Novo Horizonte, incluindo bairros adjacentes.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia