OS RISCOS DA ANESTESIA: MITOS E VERDADES

Muitos são os mitos que envolvem a ideia que os pacientes têm sobre os riscos de complicações que da anestesia. A realidade é que complicações fatais em anestesia acontecem na ordem de um em cada 200 mil procedimentos. Ou seja, é possível que um anestesiologista atue durante décadas em sua profissão, realize cerca de 20 a 30 mil procedimentos e não presencie nenhuma complicação grave decorrente de anestesia.
Entre as complicações relacionadas à anestesia, cerca de dois terços são respiratórias e estão associadas a problemas de ventilação e acesso às vias aéreas. O restante acontece principalmente nos sistemas cardiovascular e neurológico.
“O anestesista deve ter uma atenção especial quanto à manipulação e ao manuseio do sistema respiratório. Precisa verificar, no momento da consulta pré-operatória, eventuais doenças crônicas do sistema respiratório, para calcular o risco de dificuldade respiratória durante a cirurgia”, explica dr. Oscar Cesar Pires, doutor em anestesiologia, mestre em farmacologia, professor da Universidade de Taubaté, diretor de Defesa Profissional da Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo (SAESP) e diretor científico da Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA).
Consulta pré-operatória
A consulta pré-operatória é realizada pelo anestesiologista cerca de uma semana antes da cirurgia. É nesta oportunidade que ele realiza um exame clínico geral e verifica os resultados dos exames pré-operatórios. Cabe ao especialista, no caso de o paciente fazer algum tratamento diário com medicamento, passar novas orientações sobre a dosagem ou até mesmo suspender o uso antes da cirurgia.
“Há medicamentos que podem interagir com os anestésicos e por isso é importante que o paciente informe ao anestesista, na consulta pré operatória, se faz algum tratamento com uso de medicamento”, alerta o dr. Oscar.
Também é na consulta pré-operatória que serão passadas informações sobre o jejum pré-operatório, que é de extrema importância.
Para pacientes com problemas cardiovasculares ou com idade avançada, podem ser necessários consulta com outros especialistas, como por exemplo, um cardiologista. O anestesista também pode pedir exames direcionados, se o paciente já tiver uma doença pré-existente.
Mitos e verdades
“Uma preocupação bastante frequente dos pacientes às vésperas de uma cirurgia é o choque anafilático”, lembra dr. Oscar. Trata-se de uma reação alérgica grave, que pode ser revertida caso o centro cirúrgico esteja corretamente equipado. O risco do choque acontecer é mínimo. “Em mais de vinte anos de profissão, eu nunca presenciei um caso”, exemplifica.
As alergias a medicamentos da anestesia também geram muitas dúvidas. O especialista explica que os medicamentos atuais são muito seguros e é muito baixa a incidência de alergias e complicações graves com esses medicamentos.
Não há um exame que determine se o paciente tem alergia ao medicamento anestésico, só existem cuidados diferenciados para pacientes que têm alergias a borracha ou látex, por isso é importante que o paciente seja o mais transparente possível na pré-consulta.
“Existe uma crença de que anestesia geral é muito mais perigosa”, revela dr. Oscar, explicando que comparando o risco entre todos os tipos de anestesia, seja ela regional (subaracnóidea ou raque e peridural), bloqueios de nervos periféricos ou geral, são pequenas as diferenças na incidência de complicações.

11 comentários

  1. Fiz cirurgia de visicula há 7 dias com anestesia geral, não tive nenhuma complicacao tudo foi bem tranquilo.

  2. Wanfder Rosa Junior

    Não é comentário e sim uma pergunta: Paciente com HIV precisa operar de hérnia inguinal, ele prefere a cirurgia por laparoscopia, e como a ANESTESIA terá que ser a GERAL, o risco será maior que a cirurgia convencional que é feita com anestesia pelidural ou a rack. A pergunta é sobre a ANESTESIA GERAL OU PELIDURAL, para pacientes com HIV.

  3. Preciso fazer a retirada de um cisto nas cordas vocais é estou apavorada em tomar anestesia geral e ter alguma complicação e não acordar.Meus exames pré op foram normais.Qual o risco dessa anestesia pra mim ??

  4. Rosana da Silva

    Olá min chamo Rosana e tenho uma filha de 8 anos ela está com uma cirurgia marcada pro mês de maio e eu tou apavorada, ela vai fazer cirurgia de vesícula gostaria q alguém min explicasse mais um pouco sobre a anestesia…

  5. Queria saber se pode fazer nestecia seguida, ano passado fiz 4 já este fiz 2 diferença de um mês e 20 uma da outra sempre ouvi falar que n poderia fazer assim tão Seguida? N tem risco coração ou outros Órgão?

  6. Sou soro positivo,vou ter que retirar a vesícula,gostaria de saber se eu posso e quais os riscos que eu corro.

  7. Vou fazer um histerectomia, vou ter que levar duas anestesias uma geral seguida de rack quais são os possíveis problemas a acontecer.

  8. Existe a possibilidade de uma pessoa morrer por um erro na aplicação da anestesia sem ser alérgica ao medicamento? No caso mais específico de uma anestesia direcionada a procedimentos odontológicos ou ortodônticos!?

  9. Queria tirar uma dúvida, eu já tive uma cesárea, e ocorreu tudo bem; teria algum risco, caso eu fizesse outra? Por exemplo uma reação a raqui? Estou grávida de 8meses, quero pn, mas por eu já ter tido uma cesariana, me bate essa dúvida.

  10. Sandrynha Alves

    Boa noite uma pessoa que deu chicugunha e precisa fazer uma cirugia e precisa usa anestesia geral corre algum risco?

  11. Maria Helena Ferreira

    Meu filho faleceu apos 5 dias de uma cirurgia de LIPO ASPIRAÇÃO . Os médicos diseram que Ele teve paradas respiratórias e ocasionou um lesão cerebral com nome de trompo …
    Não me conformo pois meu filho gozava de grande saúde …
    Sera que houve negligência Médica ? Maria Helena De Curitiba Pr

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia