Especialistas ensinam como se livrar da ansiedade

A sensação de que o ano voa pode ser um sinal negativo para a saúde, mas não se apavore: há como dar a volta por cima, aprendendo a esfriar a cabeça.

Antes de começar a ler a reportagem, escolha um lugar bem confortável, relaxe o corpo e, principalmente, a mente. Você merece um tempo só seu. Se já bateu o olho no final da matéria, você já se entregou: é uma pessoa ansiosa. Não se preocupe. Você não está sozinho. E nem precisa correr para procurar um médico. De acordo com especialistas, geralmente essa sensação não é uma doença, mas um estado emocional natural – algo que, segundo um estudo realizado em 2005 pela International Stress Management Association Brasil (Isma), já atingiu 91% de brasileiros ao menos uma vez na vida.

Ana Maria Rossi, que é presidente da Isma e doutora em psicologia, perguntou para 1.000 pessoas (homens e mulheres com idades entre 25 e 65 anos, residentes em Porto Alegre e São Paulo ) se elas se consideravam ansiosas. “Um índice alto de ansiosos já era esperado. Afinal, qualquer pessoa – em diversos momentos da vida – sente esse tipo de emoção. Faz parte da natureza do ser humano”, acredita. Há uma diferença, porém, entre ser e estar ansioso. “O ‘ser’ é uma característica da personalidade e o ‘estar’ é pontual.”

Quanto maior a sensação de incapacidade ou passividade para lidar com os desafios da vida, maior a chance de surgir ansiedade. É quando o sentimento de ameaça predomina frente aos obstáculos da vida. “Diante de um problema, uma pessoa pode ficar extremamente ansiosa e outra pode encarar tranqüilamente o desafio. Tudo depende do quanto ela confia em si”, afirma Marcelo Feijó Mello, psiquiatra do departamento de psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

A arquiteta Fernanda, após conseguir um emprego, reparou que suas ações não lhe faziam bem. “Resolvi relaxar. Percebi que tudo se concretiza na hora certa. Não adianta brigar com o tempo. Passei a confiar mais em mim”, conta.

NÍVEIS DE ANSIEDADE - Não é tão complicado avaliar qual é o nível de sua ansiedade. Sentir aquele friozinho na barriga, por exemplo, demonstra que não há problema algum com a sua saúde. Caso tenha a sensação de que o coração vai saltar pela boca, que as mãos e os pés estão gelados e o corpo coçando, fique alerta. O que era para ser um processo natural, pode virar doença. “Uma ansiedade excessiva pode gerar fobia, estresse e crises de pânico, tornando-se disfuncional, pois passa a controlar a pessoa”, diz Ana Maria.

“Os tratamentos usados para tratar esse tipo de sentimento são técnicas de relaxamento, exercícios que levam ao controle da atividade do organismo, como meditação e ioga”, explica Ana Carolina Kley, psicóloga da clínica Flor de Lótus. Para os casos de ansiedade excessiva, existem vários tipos de terapia: cognitiva, comportamental e interpessoal. Todas, de acordo com o psiquiatra Mello, são comprovadas cientificamente e obtiveram altos índices de melhora nos pacientes. “Também há medicamentos muito eficazes, como antidepressivos e ansiolíticos.”

Puja Punita, professora de ioga e massagem ayurvédica, avisa que a massagem pode ser uma boa alternativa para aliviar os sintomas da ansiedade. “Esse tipo de tratamento, feito duas vezes por semana, faz com que o padrão respiratório sofra mudanças positivas, expandindo a respiração, melhorando a saúde do corpo e dores na coluna, um dos principais sintomas da ansiedade. Assim, conseguimos ver a beleza da vida”, diz.

1 comentário

  1. Olá,

    Sofro de ansiedade há anos, já fiz terapias mas sempre me canso delas, o máximo que consegui ficar foi um ano. Mas a sensação nao me abandona, tudo que eu faço eu vejo como ruim.
    Já tomei remedios e nada.
    Voces conhecem algum grupo de ajuda?
    abraços.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *


Compartilhe esta Notícia